Desconstruindo o meio pra reconstruir a mensagem

As novas mídias digitais e eletrônicas estão pra fotografia como a fotografia esteve pra pintura quando de seu surgimento. Essa é a proposta da exposição Fast Forward, em cartaz no Centro Brasileiro Britânico até amanhã. A transição entre técnicas permite explorar formatos de forma descomprometida, desconstruindo de forma lúdica os paradigmas da arte.

.

Este slideshow necessita de JavaScript.

São 17 artistas britânicos atuais (as obras são, na maioria, desse ano mesmo). Richard Galpin usa máscaras na revelação e fotografias descascadas. Mark Wallinger ironiza o auto-retrato com tipografia. Michael Craig vetoriza e recria com animação computadorizada uma pintura do século XV. Julian Opie tira fotos de paisagens orientais, manipula divinalmente e imprime em 3D lenticulares que ganham movimento (tentei filmar mas não pegou bem, mas o princípio é o mesmo dessas aqui, também dele):

E, meu personal favorite, Grayson Perry usa o estilo da gravura renascentista e, com caneta BIC, cria um painel que satiriza a sociedade moderna e sua estrutura.

clique pra ampliar (se você quiser ver melhor, manda um e-mail que eu te passo mais fotos desse painel, tirei um milhão)

Vale a pena, em primeiro lugar, porque as obras são todas visualmente muito bacanas. E segundo, porque provam que uma época não anula a outra. A arte é empírica e a essência de sua mensagem é imutável, se adaptando mais à época que ao suporte.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: